Skip to content

[Comportamento] Como confiar em quem não fala palavrão?

julho 14, 2011

Essa é uma pergunta muito difícil de responder. Pelo menos pra mim. Aí você aí do outro lado vai querer dizer que não se trata de questão de confiança e sim de educação. Ledo engano. Palavrão exala sinceridade, amigo.

Vou começar com um exemplo bem básico. Político em campanha fala palavrão? Não. Nenhum tem coragem de dizer “eu vou ganhar e botar pra fuder no meu governo”. Isso quer dizer que eles não falam palavrão? Não. Eles falam e muito. Mas, como todos sabem, eles não são sinceros.

Se você está mostrando algo a um amigo seu, e esse negócio é extremamente fuderoso, e o cara solta “que do caramba”, você acha que ele realmente curtiu? Obviamente que não, porra. Caramba é uma palavra que só deve ser cantada e juntamente com “cara” e “caraô”. Só. Um cidadão que curte muito uma coisa vai dizer “que do caralho! Muito foda isso!”. Agora você acredita nele.

E o que falar da TV? Vai entende por que ainda existe esse tabu. Na novela, se o cara pega o bandido e xinga, ele solta palavras como “seu canalha”. Quando está um pouco mais bravo pode alterar para “você é um pilantra”. Aí eu pergunto: isso é tudo que uma pessoa tem a dizer quando está muito puta com alguém? Mais uma vez a resposta é negativa. Na realidade, seu desejo é soltar “filho da puta, você vai ser enrabado por um negão na cadeia”.

Certa vez um cara na pelada perdeu um gol e soltou um “POXA” em alto e bom som. Virou a piada. Claro, o cara está jogando futebol, num ambiente altamente viril, e vem falar “poxa”. Velho, qual o problema com “puta que pariu”? Deixe de ser assim.

Esse último exemplo, além de tudo, expressa a vontade dessa pessoa em falar o palavrão. Mas por vergonha ou por querer parecer certinho, adapta. É o caso mais grave. O cara quer falar e se segura. Resultado: virou o alvo de tiração de onda da galera.

Nunca, meu caro amigo, deixe de expressar um palavrão. A não ser que você deseje não ser uma pessoa confiável para a sociedade. Ela necessita de palavrões.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. Paulo O. permalink
    julho 14, 2011 1:57 pm

    Tô lendo um livro chamado “Fuck”, que fala justamente sobre isso, o tabu do uso dos palavrões em público e pá. Eu não entendo o que torna um “bastante” mais aceitável que um “pra caralho” num texto qualquer. Uma palavra e uma locução adverbial, normal. Ambos são instrumentos de ênfase, um bem mais eficaz que o outro. Não sei quem definiu o que é puro e o que não é, mas não entendo as pessoas se sentirem tão ofendidas com os so-called ‘palavrões’. Claro que rola uma associação com genitálias e outros órgãos menos ensolarados, mas, fosse assim, ninguém nem mencionaria um “pênis”, “escroto” ou “vagina” num artigo científico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: